Quarta-feira, 16 de Setembro de 2015

British Council traz representantes dos museus mais visitados de Londres à capital paulista para o Museum Academy

Coordenado pelo diretor do Tyne & Wear Archives & Museum, o curso propõe um intercâmbio de boas práticas na área entre Reino Unido e Brasil. Especialistas da National Portrait Gallery e do Science Museum de Londres também estão entre os palestrantes. 

Acontece entre os dias 21 e 25 de setembro, na cidade de São Paulo, o Museum Academy, curso oferecido na capital paulista voltado ao desenvolvimento de público em museus. Uma correalização do British Council e da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, o módulo será realizado em museus da Secretaria como Museu da Língua Portuguesa; Museu da Imagem e do Som (MIS), Pinacoteca do Estado, Museu da Imigração e Museu do Futebol.

A proposta da capacitação é atender a qualificação desejada pelos profissionais de instituições do país, trazendo instrutores britânicos e brasileiros que abordarão o entendimento sobre os padrões de engajamento de público, identificação de oportunidades para atrair novos visitantes, marketing, pesquisa de mercado, desenvolvimento de parcerias e engajamento com comunidades. Ao longo dos cinco dias, os participantes irão desenvolver um plano de trabalho para as suas instituições.

Lidera o time de palestrantes o diretor do Tyne & Wear Archives & Museums, Bill Griffiths. Com mais de três décadas de experiência em projetos culturais, participou da implementação do Museu Segedunum, inaugurado em 2000. Foi também coordenador do Museum Training School, realizado pelo British Council em parceria com a University College London (UCL), em 2014. O sucesso no Reino Unido entre gestores de museus brasileiros inspirou a decisão de realizar a primeira edição do curso na capital paulista. 

“Museus no Reino Unido estão formando redes em relação a tópicos como justiça social e bem-estar, o que é uma boa forma de demonstrar o que fazemos. No fim, tudo é uma forma de mostrar nossa relevância na contemporaneidade e demonstrar que não somos um depósito para coisas velhas”, comentou Griffiths a respeito das boas práticas que as instituições vêm desenvolvendo em seu país. 

Além dele, o British Council trará também a Diretora de Pesquisa e Projetos em Aprendizagem do Science Museum de Londres, Karen Davis, e Liz Smith, Diretora de Participação e Aprendizagem da National Portrait Gallery, Londres. 

As instituições dos palestrantes estão entre as maiores em médias de público anuais do Reino Unido. O Science Museum, por exemplo, recebe 5 milhões de pessoas por ano; já a National Portrait Gallery conta com 2 milhões de visitas. O Tyne & Wear Archives & Museums, grupo que reúne nove museus e galerias por toda a Inglaterra, tem média de visitação de 1,3 milhões de pessoas e trabalha cotidianamente para engajar cada vez mais a comunidade. Ações no campo da acessibilidade, além de projetos sociais como o “Culture Track”, que oferece postos de trabalho a jovens desempregados para reinseri-los no mercado, são destaques.    

Entre os colaboradores brasileiros, estão Marília Bonas, diretora executiva do Museu da Imigração de São Paulo e do Museu do Café; e Luiz Fernando Mizukami, executivo público do Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo. Também ministrarão palestras Carolina Nóbrega, Gerente de Comunicação do Museu do Café; Daniela Alfonsi, Diretora  de Conteúdo do Museu do Futebol; Angélica Fabri, diretora da ACAM Portinari; e Anne Checoli, do Museu da Imagem  e do Som. 

“O Museum Academy responde às expectativas dos profissionais de mais de 100 museus com os quais temos trabalhado ao longo de 3 anos no programa Transform de Museus, como uma oportunidade de qualificação dos profissionais que atuam para atrair, diversificar e fidelizar os públicos dos museus.”, explica Lucimara Letelier, Diretora Adjunta de Artes do British Council.  

O British Council entende que boas práticas para o engajamento de públicos são importantes para a promoção do interesse do público brasileiro pelas instituições museológicas. Na cidade de São Paulo, segundo pesquisa da Jleiva Consultoria, em parceria com o Datafolha e a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, 41% dos entrevistados afirmaram que não os frequentam por desinteresse. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), de 2015, a visitação média no país gira em torno de 29.693 pessoas por ano. 

Sobre Bill Griffiths

É Diretor de Programas da TWAM - Tyne and Wear Archives & Museums. Arqueólogo, é membro da  equipe de gestão sênior do TWAM há mais de 12 anos e possui 30 anos de experiência em projetos culturais, além  de ter participado  na  implementação de um novo museu, o Segedunum, inaugurado em 2000. Griffiths já coordenou inúmeros projetos de larga escala para o aprimoramento de museus e desenvolvimento de público, incluindo exposições, programas de aprendizado e envolvimento com a comunidade, festivais, tanto no Nordeste da Inglaterra como no exterior. Foi coordenador do Museum Training School, realizado pelo British Council em parceria com a University College London (UCL), em 2014.

Sobre Liz Smith 

Liz Smith coordena as atividades nas áreas de aprendizagem, participação e  desenvolvimento de público da National Portrait Gallery (NPG). Além do trabalho desenvolvido com todos os departamentos dentro da NPG, supervisiona a inserção de atividades relacionadas ao desenvolvimento de público em todos os níveis, desde o planejamento até a entrega de projetos. Foi Diretora Adjunta de Aprendizagem e Interpretação no Royal Museums, em Greenwich, por mais de 5 anos. Lecionou História em várias escolas de nível médio (alunos de 11 a 18 anos) em Londres e Bristol. 

Sobre Karen Davis 

Karen Davis trabalha com liderança em museus. Desenvolve projetos que tem por finalidade  potencializar o estímulo ao aprendizado,  garantindo assim  que as  demandas  do público  sejam abordadas, que os programas de aprendizagem  sejam integrados e desenvolvidos de maneira adequada, além de supervisionar o custeio e gerência deles. Karen trabalha com uma ampla gama de parceiros acadêmicos em projetos educacionais de larga escala, incluindo o King’s College. Ela já coordenou, desenvolveu  e implementou programas de treinamento para cientistas por mais de dez nos na área de comunicação científica, juntamente com a Royal Society, o Royal College of Pathologists e a Royal Academy of Engineers 

CONTATO
Para mais informações entre em contato com nossa assessoria de imprensa através do email centro.info@britishcouncil.org.br ou ligue para (11) 2106-7500.

Sobre o British Council

O British Council é a organização internacional sem fins lucrativo do Reino Unido para relações culturais e oportunidades educacionais. Seu trabalho busca estabelecer a troca de experiências e criar laços de confiança por meio do intercâmbio de conhecimento e de ideias entre pessoas ao redor do mundo. A organização está presente em mais de 100 países e trabalha com parceiros como os governos em diversas instâncias, organizações não governamentais e iniciativa privada, em ações relacionadas à promoção da língua inglesa, cultura, artes, educação e programas sociais.  Informações: www.britishcouncil.org.br 

Sobre o Programa Transform de Museus 

O Programa Transform de Museus é um desdobramento do Transform, programa de artes do British Council. Com duração de quatro anos, foi idealizado para conectar produtores, artistas, autoridades e as principais organizações de artes do Brasil e do Reino Unido, e busca fortalecer os laços entre estes profissionais e instituições dos dois países para obter resultados a longo prazo. Já reúne mais 

de 85 instituições museológicas, sendo 45 brasileiras e 40 britânicas, incluindo o British Museum, o V&A, a Tate e o Science Museum.

No âmbito do intercâmbio, o Programa Transform de Museus tem trabalhado continuamente com o tema de desenvolvimento de público. Em 2012, 10 instituições brasileiras estiveram no Reino Unido para visitas de estudos. Gestores públicos das redes de museus dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul além de um representante da Fundação Roberto Marinho, parceira do projeto compuseram o grupo. Em junho de 2015, o British Council organizou na capital fluminense o Seminário “Museus e seus Públicos”, no Museu de Arte do Rio (MAR). 

Ainda no escopo do intercâmbio proposto pelo Transform, especialistas britânicos, entre eles a diretora-adjunta do Science Museum de Londres, Jean Franczyk, foram convidados a participar do 7º Encontro Paulista de Museus, realização da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. www.britishcouncil.org.br/transform.