Terça-feira, 08 de Dezembro de 2015

Última programação do ano no Itaú Cultural apresenta o corpo como potência criativa na união da arte e da acessibilidade

|| Entre || Arte e Acesso traz apresentações, debates, espetáculos, performances, oficina e filme revelando a obra e o talento de artistas com alguma deficiência e comprovando o quanto o corpo tem potencial criativo

De 11 a 13 de dezembro (sexta-feira a domingo), o Itaú Cultural e o British Council promovem o ||Entre|| Arte e Acesso no Piso Térreo, Sala Itaú Cultural, Sala Multiúso e no sétimo andar do instituto na Avenida Paulista. A programação, última de 2015 na instituição, tem a participação de artistas brasileiros e internacionais que desenvolvem trabalhos culturais e artísticos independentemente de alguma deficiência. As ações abrangem diversas linguagens, formatos e áreas de expressão entre a dança, performance, teatro, literatura e música. As atividades contam com audiodescrição e interpretação em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS).

“Em vez de pensarmos sobre o que o corpo não pode fazer, como seria se nos perguntássemos o que pode um corpo, ou quais são suas habilidades?”, comenta a pesquisadora e produtora associada do programa Transform do British Council Paula Lopez, curadora do evento com a equipe do Itaú Cultural. ||Entre|| se alinha a uma série de estratégias que o instituto vem desenvolvendo para tornar suas ações cada vez mais acessíveis – como a contratação de intérpretes e educadores fluentes em Libras e a adaptação de suas instalações.

A programação promove conversas com artistas, intelectuais e personalidade como, entre outros, o escritor e dramaturgo Marcelo Rubens Paiva, os jornalistas Marcos Fidalgo e Marcelo Starobinas, o rapper MC Billy Saga – que também fará um pocket show – a atriz, dançarina, coreógrafa e videoartista brasileira Estela Lapponi. Eles compartilham suas experiências com o público e outros convidados como a performer inglesa Jo Bannon também uma das fundadoras do coletivo britânico Residence e membro da companhia artística In Between Time, responsável pelo festival homônimo.

Os coletivos Corposinalizante, o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e o Sarau do Burro celebram a poesia e a diversidade no Slam do Corpo, em que duplas de poetas formadas por um surdo e um ouvinte, expressam seus versos em Libras e em português. Os debates que permeiam a programação são sobre as políticas públicas no campo da acessibilidade e este mesmo campo na criação autoral. O primeiro reúne Leonardo Castilho – membro Corposinalizante e educador surdo do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP) – e Linamara Rizzo Battistella – secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência do estado de São Paulo. A mediação é do jornalista Claudiney Ferreira. O segundo é com Jo Bannon, o ator Nando Bolognesi e mediação de Paula Lopez.

Bannon faz, ainda, a performance Exposure, em que recebe o público – uma pessoa de cada vez – em uma sala fechada e escura. Durante 10 minutos, em silêncio ela ilumina objetos e partes do corpo, gerando reflexões sobre o modo como vemos os outros e somos vistos por eles. Outra

performance é realizada pela Pulsar Cia. de Dança que desde 2000 explora as múltiplas possibilidades de movimento de corpos de diferentes constituições físicas. Nesta, sete bailarinos do grupo se unem ao artista plástico – e também dançarino – Victor Pesant.

A artista e produtora cultural britânica Jo Verrent ministra a oficina Deficiência – uma vantagem criativa nas artes em que analisa a deficiência segundo suas possibilidades criativas e não como obstáculo, mas como potencial. Nesta atividade, ela apresenta exemplos da produção artística do Reino Unido e procura estimular novas perspectivas, tanto na arte quanto no cotidiano.

||Entre|| Arte e Acesso exibe, ainda, Outro Olhar – Convivendo com a Diferença, documentário dirigido por Renata Sette. O filme conta a história de Charbel Gabriel, um senhor de 60 anos que ainda trabalha, exercita-se, cuida-se, estuda e interage diariamente com a família e a comunidade. Ele tem síndrome de Down.

A cada noite é apresentado um espetáculo, às 20h (19h, no domingo). Na sexta-feira, Proibido Elefantes da companhia de dança potiguar Gira Dança que reúne bailarinos com e sem deficiência questionando preconceitos em suas coreografias, nesta explora a ideia de que a realidade se adapta à maneira como olhamos para ela. Indefinidamente Indivisível é a apresentação de sábado com os bailarinos da Pulsar Cia. de Dança que usam bolas infláveis evidenciando os aspectos imprevisíveis que caracterizam os processos de movimento e de transformação. O trabalho parte da obra do filósofo francês Henri Bergson e é descrito como uma maneira poética e plástica de compreender seu pensamento.

O espetáculo Se Fosse Fácil, Não Teria Graça encerra a programação, no domingo, com Nando Bolognesi. Ele narra do momento em que foi diagnosticado, aos 21 anos, com uma doença degenerativa, sem cura e potencialmente incapacitante, até hoje, aos 45, idade em que segue trilhando um percurso de realizações e de convivência com as suas limitações. Ex-integrante do grupo Doutores da Alegria, Nando é fundador do Fantásticos Frenéticos – iniciativa que promove visitas de palhaços a hospitais psiquiátricos.

CONTATO
Para mais informações entre em contato com nossa assessoria de imprensa através do email centro.info@britishcouncil.org.br ou ligue para (11) 2126-7500.

Serviço

|| Entre || Arte e Acesso

Ciclo sobre acessibilidade nos campos da arte e da cultura

De 11 a 13 de dezembro

Itaú Cultural

Entrada gratuita

Diversos espaços e horários. Mais informações: bit.ly/EntreArteEAcesso

Estacionamento: Entrada pela Rua Leôncio de Carvalho.

R$ 10 pelo período de 12 horas.

Se o visitante carimbar o tíquete na recepção do Itaú Cultural: 3 horas: R$ 7; 4 horas: R$ 9; 5

e 12 horas: R$ 10.

Com manobrista e seguro, gratuito para bicicletas.

Acesso para pessoas com deficiência física

Ar condicionado

Itaú Cultural

Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô

Fones: 11. 2168-1776/1777

Sobre o British Council

O British Council é a organização internacional sem fins lucrativo do Reino Unido para relações culturais e oportunidades educacionais. Seu trabalho busca estabelecer a troca de experiências e criar laços de confiança por meio do intercâmbio de conhecimento e de ideias entre pessoas ao redor do mundo. A organização está presente em mais de 100 países e trabalha com parceiros como os governos em diversas instâncias, organizações não-governamentais e iniciativa privada, em ações relacionadas à promoção da língua inglesa, cultura, artes, educação e programas sociais.  Informações: http://www.britishcouncil.org.br/