Como fazer especialização no exterior

Especialização no exterior: É bastante comum os brasileiros procurarem uma. No entanto, é preciso saber como elas funcionam para não ter erro.

Certamente você quer escolher a melhor alternativa para alavancar o seu currículo profissional e até mesmo para aumentar sua vivência em locais diferentes.

Neste artigo saberemos desde o que é um MBA e um Mestrado até os trâmites necessários para fazê-los no exterior.

Continue lendo para saber tudo o que você precisa antes de decidir qual a especialização no exterior que mais se encaixa ao seu perfil.

Qual a melhor especialização no exterior a escolher?

Em meio a tantos títulos e cursos de extensões universitárias disponíveis para o aluno que já se formou na faculdade, escolher uma especialização no exterior para dar continuidade aos estudos pode não ser uma tarefa simples tão simples quanto deveria. 

E, mesmo para aqueles que estão totalmente imersos no mundo universitário, podem ter dúvidas em relação ao significado por trás de alguns programas no exterior.

Isso porque os títulos adquiridos no Brasil nem sempre são equivalentes ou têm os mesmos significados que os oferecidos em instituições de ensino de outros países, como nas universidades dos Estados Unidos e da Europa. 

Conheça agora algumas nomenclaturas e suas definições de especializações a seguir:

Pós-graduação no exterior

Como no Brasil, há duas categorias de pós-graduação no exterior: lato sensu e stricto sensu.  

A diferença principal entre elas é que a lato sensu consiste em uma especialização e o aluno não ganha um título acadêmico ao fim do curso. 

Já a stricto sensu é composta por cursos de formação científica e acadêmica, como mestrados e doutorados.

Como escolher entre lato sensu ou stricto sensu?

Antes de qualquer coisa, saber exatamente quais são os direcionamentos de uma e outra pós-graduação é fundamental. 

A pós-graduação lato sensu é ideal para quem já está inserido no mercado de trabalho e busca aperfeiçoamento e evolução em sua área de atuação. Mesmo sem conferir algum título acadêmico, estes cursos costumam ser bastante valorizados no mercado de trabalho por serem focados no treinamento prático do profissional.

Já a pós-graduação stricto sensu é mais voltada para o aspecto acadêmico. O estudo nestes cursos é mais objetivo e menos amplo, bastante relacionado à pesquisa e ao conhecimento teórico. É indicado para quem tem a intenção de seguir carreira de pesquisador ou professor universitário e adquirir o título de mestre ou doutor.

Assim como acontece no Brasil, outros países ao redor do mundo oferecem duas categorias diferentes de pós-graduação. 

O MBA se encaixa na formação lato sensu, porque consiste em uma especialização que não atesta uma titulação acadêmica, como já foi citado anteriormente. 

O stricto sensu, por sua vez, é composto por cursos como o Mestrado e o Doutorado, ambos de cunho científico e pesquisa, responsáveis por prepararem o profissional para uma vida de ensino. Fazer MBA no exterior, então, é ideal para quem já está firme no mercado de trabalho e pretende evoluir ao adquirir novos conhecimentos e ampliar a visão sobre o negócio. Esta experiência é muito valorizada por empresas e organizações, pois mostram que o profissional tem treinamento prático e uma boa base para enfrentar desafios e mudanças.

O Mestrado no exterior, no que lhe diz respeito, é mais direcionado para uma única área de estudos e exige habilidades maiores sobre o domínio de teorias. Quer dizer então que é indicado para aqueles que desejam seguir carreiras como: pesquisador, professor universitário e até mesmo subir mais um degrau com um diploma de doutorado. 

O que é o MBA?

O MBA – que significa Master of Business Administration – é uma das qualificações mais estimadas por profissionais com experiência no mercado de trabalho que estão em busca de qualificação para assumir cargos importantes na área de negócios. 

Ele trata de uma das modalidades de pós-graduação voltada para profissionais que pretendem seguir no mercado – característica que a diferencia da especialização, do mestrado e do doutorado.

O MBA é um curso lato sensu, isto é, uma especialidade de pós-graduação direcionada especificamente para um segmento do mercado. 

A finalidade deste tipo de pós-graduação é aperfeiçoar os conhecimentos de profissionais em cargos de gestão e administração para lidar com negócios em geral.

Reconhecido internacionalmente, o programa é ideal para aqueles que desejam desenvolver as suas habilidades de gestão e liderança. 

As aulas são comumente complementadas por atividades que envolvem projetos de consultoria e networking a fim de imprimir uma pitada de experiência a mais aos alunos.

MBA no exterior x MBA no Brasil

Original dos Estados Unidos, o programa de MBA ganhou espaço nas melhores universidades e instituições do mundo. E, atualmente, é visto como passo fundamental para quem quer ter uma carreira de sucesso na área dos negócios. 

No entanto, o curso não é equivalente em todos os países. O programa de MBA nos Estados Unidos e na Europa é um mestrado na área de administração e, por isso, os formados adquirem o título de mestre ao final do curso. 

Já no Brasil, o MBA virou sinônimo de especialização e nem sempre está ligado às raízes da administração de negócios, com opções que enfatizam a gestão nas áreas de marketing e finanças, por exemplo. Por este motivo especificamente, o MBA brasileiro é considerado um curso de pós-graduação lato sensu, garantindo ao aluno um certificado de especialização, e não um diploma, como seria no caso do mestrado.

Muitos profissionais da área dos negócios ficam em dúvida entre o MBA e outros mestrados na área de business tais como finanças e contabilidade. 

Antes de escolher, você tem o dever de analisar as diferenças mais significativas entre o MBA e outros mestrados: o método de ensino e a grade curricular.

A grade dos programas de MBA tradicionais é dominada pelos estudos de caso, que são os exemplos do mundo dos negócios que os alunos devem explorar e discutir com o intuito de evoluir profissionalmente. 

Por outro lado, a maioria dos mestrados conta com uma grade mais teórica, oferecendo aos profissionais um quadro acadêmico preciso para áreas específicas. 

O que acaba conferindo técnicas de pesquisa que podem ser muito úteis para quem deseja construir uma carreira de docente.

Os tipos de pós fora do Brasil para quem quer especialização fora do Brasil 

Antes de qualquer coisa, é preciso entender que existem diversos tipos de pós-graduação no Exterior e que nem todas elas são como mestrados (strictu sensu) porque existem cursos como especialização, MBA e mestrado acadêmico. 

É importante entender o que cada curso de especialização no exterior oferece qual a equivalência dele no Brasil até para não se frustrar na volta por conta da validação do diploma. Veja abaixo:

Graduação e especialização no exterior

Mestrados

É possível fazer mestrado no Exterior nas mais diversas áreas: de artes e cinema até ciências e saúde. 

Em geral, são cursos com foco mais acadêmico e em pesquisa. 

Ao contrário do que muitas pessoas pensam você não necessariamente precisa ter tido grande produção acadêmica ou mesmo envolvimento com pesquisa durante a sua graduação no Brasil para ser aceito em um mestrado no Exterior. 

Outra diferença importante sobre as pós-graduações no Exterior é que a maioria delas não exige projeto de pesquisa. 

O que torna as seleções de mestrado no Brasil muito mais complexas do que as seleções no Exterior. 

Afinal, para a maioria dos cursos de especialização no exterior você vai precisar de cartas de recomendação, carta de motivação, prova de proficiência no idioma e análise de histórico escolar e currículo profissional.

Master in Business Administration, o MBA

O MBA é um curso lato sensu bastante procurado por empresários, executivos e gestores. 

É considerado um mestrado profissional ideal para quem busca aprimorar conhecimentos de administração e obter uma visão aprofundada e global do mundo corporativo. 

Exatamente por isso seu foco é mais na prática do que na teoria.  Dependendo de onde você vai fazer o curso ele pode durar de um a dois anos. 

Em geral, os MBAs no Exterior exigem o envio de nota do GRE ou GMAT.

MPA e MPP

Esses são programas de mestrado focados em Administração Pública (MPA) ou Políticas Públicas (MPP). 

O primeiro foca mais em gestão e implantação de políticas públicas. O segundo tem ênfase em pesquisa e avaliação. 

O DAAD, Serviço de Intercâmbio Acadêmico Alemão, tem um programa de bolsas voltado completamente para mestrados com foco em Políticas Públicas e Boa Governança, o programa Helmut Schmidt.

Mestrado e doutorado no exterior

Os mestrados - Master’s Degrees - e doutorados - PhD, EdD etc - são os tipos de pós-graduação mais procurados por quem deseja dar continuidade à sua educação superior. 

No exterior, os programas de mestrado e doutorado têm diretrizes que podem variar de acordo com a universidade pretendida. 

Para se aplicar a qualquer um dos dois é necessário ter formação superior completa, certa experiência profissional e um sólido currículo acadêmico.

Ter o inglês fluente também é imprescindível e, neste caso, uma experiência de especialização no exterior pode ser um grande diferencial.

Em geral, os cursos de mestrado no exterior têm de dois a três anos de duração. 

A maioria tem o objetivo de iniciar os estudantes na pesquisa científica e prepará-los para uma possível carreira acadêmica. 

No entanto, alguns programas de mestrado específicos podem trazer uma grade mais prática e menos teórica, com estudos de casos reais e simulações de situações habituais, como é o caso do MBA.

O doutorado é um programa de estudo mais avançado, com duração que pode variar de quatro a oito anos até a conclusão. 

No Brasil, uma pessoa só pode fazer doutorado após concluir o mestrado, no exterior as coisas são um tanto quanto diferentes. 

Isto é, o estudante que tiver interesse em investir em uma carreira acadêmica mais sólida pode escolher direto o caminho que guia ao doutorado. 

Em alguns casos, você até consegue a oportunidade de conquistar o diploma de mestre durante o processo.

Cursos de especialização no exterior

Os cursos de especialização no exterior servem para aprofundar os conhecimentos dos profissionais em áreas específicas. 

Diferentemente dos mestrados e doutorados, esse programa não concede diploma e sim uma certificação – os chamados certificates.

Esses cursos de especialização no exterior também costumam ter uma duração mais curta do que os de mestrado e doutorado, com algumas exceções que chegam a passar dos dois anos de duração. 

É indicado para profissionais que desejam expandir os seus conhecimentos profissionais além da sua área de atuação ou adquirir mais conhecimento prático, networking e know-how para desempenhar certas atividades.

Dependendo do destino escolhido, um curso de especialização no exterior também pode ser um bom caminho para quem quer se aplicar ao programa de OPT (Optional Practical Training) e ter permissão de trabalhar legalmente por até um ano no país escolhido.

Como fazer uma pós-graduação no exterior?

A lista de documentos e exames necessários para fazer uma pós-graduação no exterior varia de acordo com a universidade e com o tipo de programa elegido. 

No entanto, geralmente todos os programas exigem comprovação de proficiência no idioma (geralmente TOEFL ou IELTS, para o inglês) e testes de raciocínios lógicos, como o GMAT e o GRE, além de cartas de recomendação e currículo profissional.

A melhor opção é contar com a consultoria de especialistas em universidades no exterior para traçar o melhor caminho para os seus objetivos. 

O STB conta com um departamento inteiramente dedicado ao ensino superior no exterior.  Enquanto o British Council é um dos responsáveis pelo exame de proficiência em inglês IELTS, com centros aplicadores para emissão do certificado do IELTS no Brasil.

Depois da graduação, muitos profissionais buscam novas alternativas para continuar sua jornada acadêmica. 

Fazer MBA no exterior é uma opção popular, devido aos inúmeros benefícios que uma certificação internacional traz para o currículo e para a carreira. Mas neste momento também surge a maior dúvida: este curso vale como Mestrado?

Na verdade, cada diploma atua com um objetivo diferente em sua essência, e, por este motivo, é essencial que o estudante saiba exatamente o que ele espera para o seu histórico profissional. 

A princípio, as diferenças entre eles podem parecer estreitas, mas quando se coloca no papel tudo o que oferecem, é possível visualizar melhor e prestar atenção em detalhes bem importantes que podem te fazer optar por um ou pelo outro.

Documentos para fazer pós-graduação no Exterior

A documentação exigida por diferentes cursos de pós-graduação no Exterior pode variar bastante. 

Mas de modo bem geral, se você quer fazer pós-graduação no Exterior, no mínimo, você vai precisar de documentos como:

  • Passaporte válido
  • Currículo
  • Histórico escolar e diploma traduzido por um tradutor juramentado e com apostila de Haia
  • Certificado de proficiência no idioma em que o curso é realizado (no caso do inglês as mais comuns são TOEFL ou IELTS)
  • Carta de motivação
  • Carta de recomendação
  • Testes padronizados como GRE ou GMAT (isso é mais pedido para MBAs ou em mestrados na América do Norte)

Dúvidas frequentes sobre especialização no exterior

Afinal, MBA no exterior é válido como Mestrado?

Na teoria, os cursos não são mesmo equivalentes. 

No Brasil, o MBA é como uma especialização e possui um direcionamento mais amplo que engloba várias áreas de atuação. Ele fornece ao aluno uma certificação e não precisamente um diploma, como acontece no Mestrado, no doutorado e no pós-doutorado.

Porém, o programa de MBA no exterior, especialmente em locais como os Estados Unidos e a Europa, é considerado como um Mestrado quando realizado na área de administração ou negócios. Deste modo, ao final do curso, todos os estudantes recebem o título de mestre mesmo cursando um MBA.

Para que ele seja validado e utilizado no Brasil, é importante verificar como funciona o diploma da universidade e se ele tem a aprovação e autorização necessárias pelo MEC.

Mas então, o que é melhor fazer: MBA no exterior ou outro Mestrado fora do país?

Com esse fator determinante, é comum que muitos profissionais tenham dificuldades em decidir se é melhor investir no MBA no exterior ou escolher mesmo um Mestrado na área de negócios. 

Antes de fazer essa escolha, é fundamental analisar a diferença tênue entre as opções, encontrada em dois fatores importantes: o método de ensino e a grade curricular.

Em geral, a grade do MBA é repleta de estudos de caso, que são importantes para dar maior experiência aos alunos. Ela visa a análise aprofundada de exemplos reais encontrados no universo corporativo a fim de promover situações específicas e preparar os profissionais para elas de forma eficiente. Os alunos precisam explorá-los ao máximo e fomentar discussões específicas para o entendimento geral do contexto. 

Esse método aguça várias características, como a percepção de cenários, a adaptação a mudanças e a busca rápida por soluções. Todas elas são consideradas indispensáveis atualmente em um perfil profissional de qualidade.

O Mestrado, por sua vez, tem uma grade teórica, que proporciona uma aproximação com a realidade acadêmica e estimula técnicas de pesquisa e de ensino. 

Neste caso, a internacionalização do currículo pode não ser considerada tão importante para o aluno, pois ele deseja estabelecer sua carreira como docente e seguir unicamente em um determinado campo de estudo. Seu tempo de duração costuma ser mais intenso, bem como as horas de imersão nos estudos. 

Em contrapartida, algumas universidades possuem MBAs com um período menor de duração e maior flexibilidade entre aulas, palestras e workshops.

Como ingressar em um desses cursos de especialização no exterior?

Conforme o tipo de pós-graduação escolhida, a universidade exige documentos, essays (redações) e cartas de recomendação provenientes de fontes específicas. 

Todos eles, porém, pedem comprovação de proficiência no idioma e até mesmo testes de raciocínio lógico. Em alguns casos, o aluno pode ser chamado para uma entrevista presencial, para que a aprovação ou dispensa sejam determinadas.

É importante ficar atento aos prazos de inscrições, que costumam ser bem apertados, para não perder sua oportunidade.

Vale mencionar que até mesmo a pontualidade no envio pode fazer toda a diferença em relação à concorrência. 

Para não se perder em meio a tantos trâmites, procure por informações na Internet e por instituições brasileiras que tenham parceria com as universidades internacionais. 

A orientação fornecida através desse contato ajuda até mesmo a determinar o curso e seu país de destino. 

Contando com as provas de proficiência da língua, o recomendado é que o candidato se prepare com até oito meses de antecedência. Parece um tempo longo, mas a dedicação faz toda a diferença no resultado final, pois as escolas costumam escolher apenas os melhores alunos estrangeiros para compor seu time. Sem contar que você estará competindo por uma vaga com estudantes de todo o mundo, não só do Brasil.

Pronto! Agora que você já sabe tudo sobre MBA no exterior, Mestrado, muito além de suas diferenças e semelhanças, está preparado para tomar essa importante decisão. 

E lembre-se: ao considerar todos os fatores, nunca deixe de lado o seu real objetivo profissional. 

Jamais opte por um curso de especialização no exterior porque ele parece mais viável ou fácil. Seja firme em seu direcionamento de carreira e aposte tudo em seus objetivos para se tornar uma pessoa bem-sucedida.

Precisa saber inglês para fazer pós-graduação no Exterior?

Na verdade, depende muito do lugar onde você fará sua especialização no exterior: se for um país que fale inglês e o seu curso for neste idioma sim, caso contrário não.

A maioria das seleções pedem certificados que comprovem que você tem proficiência no idioma em que o curso será ministrado. 

Certamente se você escolhe cursos em Portugal, em universidades onde o português é utilizado, então não faz muito sentido comprovar proficiência em inglês, não é mesmo?

Fazer uma especialização no exterior sem dúvidas vai te ajudar na fluência no idioma. 

No entanto, você tem que considerar que terá que participar das aulas, ou seja: ler, escrever artigos e até mesmo uma dissertação no idioma do curso. Entenda que escolher uma especialização no exterior não significa que você está fazendo um curso de idiomas cujo objetivo é melhorar sua fluência. Para isso você pode passar um tempo melhorando suas habilidades no país antes de entrar em um curso universitário de fato. 

Se você passou na prova de proficiência e atingiu o nível que o curso de especialização no exterior pede para se inscrever, não tenha medo, afinal, você já tem o que precisa. Fique tranquilo, pois não se espera que um estudante estrangeiro escreva academicamente como um nativo a partir do momento que chega. 

Por conta disso, elas quase sempre oferecem cursos de Academic Writing e de outras competências necessárias para destravar sua fluência e fazer você perder o medo de escrever em outro idioma. 

Ter proficiência em inglês também aumenta bastante suas chances de conseguir bolsa de estudos para fazer especialização no Exterior. 

A maioria das bolsas exige nota no IELTS OU TOEFL, então, fazer essas provas abre um mundo repleto de possibilidades para estudar fora pagando bem menos ou nada.

Posso fazer pós-graduação no Exterior em outra área?

No geral, você pode sim fazer pós-graduação no Exterior em uma área que não é da sua graduação. 

No entanto, normalmente as seleções pedem que você comprove que essa mudança faz sentido na sua carreira acadêmica e/ou profissional, seja com as suas experiências de trabalho ou acadêmicas. 

Leia muito bem o edital do curso de especialização no exterior para o qual você quer se candidatar e entenda direitinho o que eles querem dos candidatos e como você pode explicar sua mudança de área para o comitê de seleção. Outra coisa bem interessante é entrar em contato com os organizadores da especialização no exterior para explicar sua situação e perguntar se eles aceitam pessoas de outras áreas. 

Perguntar é sempre o melhor caminho para alcançar os seus objetivos. 

A diferença entre cursar MBA no Brasil e no exterior

O tão falado MBA surgiu nos Estados Unidos há cerca de 100 anos – em português seria algo do tipo “mestrado em administração de negócios”.

Originalmente direcionado a altos executivos de empresas americanas e internacionais, o curso foi aos poucos sendo importado para várias partes do mundo, inclusive o Brasil. No entanto, algumas adaptações em seu formato foram inevitáveis.

Os primeiros MBAs brasileiros tentavam se espelhar ao máximo nos americanos, mas algumas diferenças já podiam ser notadas. 

Segundo o diretor executivo da Anamba, Armando Dal Colleto, o modelo no Brasil foi adaptado às oportunidades e comportamentos de nossa cultura, visto que um curso de período integral com dois anos de duração era muito tempo para o profissional ficar longe do mercado de trabalho.

Aqui no Brasil os MBAs são usualmente ofertados no período noturno e nos fins de semana – nos EUA existe o ‘part-time’ que é bem parecido. Neste modelo, o aluno consegue manter o emprego, porém perde experiências como fazer contatos e ter uma experiência completa no campus, e ainda a chance de estágios que podem alavancar sua carreira.

Optar entre Brasil e exterior envolve não apenas a opção do curso, mas os planos pessoais de cada um em relação ao curso.

Metodologia

No Brasil, grande parte dos cursos costuma ser essencialmente teórica: os professores detalham os temas mais relevantes dentro do enfoque do curso, deixando as discussões e práticas em segundo plano. Já no exterior, segundo o fundador da Philadelphia Consulting Paulo César Moraes, a carga de estudos de casos e tarefas realistas do dia a dia de uma empresa é bem intensa. 

O curso é repleto de simulações de cenários financeiros, e o aluno de fato experimenta o que é viver no mercado mesmo sem estar trabalhando em uma empresa. Isto é, enquanto no Brasil não há grande aceitação em afastar-se do mercado de trabalho por tanto tempo, no exterior os estudos aproximam o aluno do mercado mesmo com uma visão de fora da situação. Isso faz com que o profissional esteja preparado e provido de informação suficiente sem sequer ter tido a experiência de trabalho.

Seleção da turma

Outra diferença está na seleção dos alunos: no exterior os critérios de recrutamento costumam ser bem mais rigorosos. Os desafios já começam com os próprios colegas, que são tão desafiantes quanto os próprios professores, afinal são selecionados apenas os melhores. 

No Brasil, alguns cursos não costumam exigir muito dos candidatos e isso pode resultar em turmas pouco interessantes. O que faz com que a experiência seja menos enriquecedora na troca com os colegas. Exatamente pelo fato de o networking ser uma parte essencial do MBA, essa falta de riqueza nos contatos diminui a qualidade do curso.

Qualidade

O número de MBAs no Brasil tem aumentado desde 1990, uma vez que o Ministério da Educação (MEC) classifica o MBA como um curso lato sensu, cujo padrão mínimo de qualidade é menos exigente.  No exterior, em termos de carga horária e rigidez no controle pelo órgão regulador, o MBA equivaleria a um mestrado no Brasil, ou seja, uma especialização stricto sensu.

Em algumas instituições brasileiras, os cursos possuem uma carga horária relativamente elevada com mais de 600 horas de aula, e os professores estão acima da média. 

Você pode identificar os MBAs de qualidade, em termos de adequação ao conceito de MBA, qualidade do curso e seleção dos alunos, por meio da acreditação da Anamba e de outras associações estrangeiras. 

Ainda, existem universidades que aparecem em rankings internacionais, como, por exemplo, a Fundação Getúlio Vargas, instituição de ensino brasileira que mais forma CEOs. 

Outras escolas reconhecidas internacionalmente são o Insper, a Fundação Instituição de Administração, a Fundação Dom Cabral, o ESIC Business & Marketing School e o IBMEC.

MBA padrão no Brasil

Duração: 1 ano e meio a dois anos, meio período;

Preço do curso: R$ 30.000 a R$ 60.000;

Impacto: reconhecimento nacional para cargos de média gerência;

Concorrência: na maioria, a seleção é mínima. Os mais rigorosos pedem currículo, carta de recomendação, teste de lógica e de inglês.

Alunos: brasileiros com perfis profissionais variados, entre 25 e 40 anos.

MBA padrão nos EUA e Europa

Duração: 1 a 2 anos, tempo integral;

Preço do curso: cerca de US$ 180.000, sem contar as despesas pessoais;

Impacto: reconhecimento internacional para cargos de média e alta gerência;

Concorrência: a seleção é bastante cautelosa. São solicitadas provas de raciocínio como, por exemplo: GMAT e GRE, exames de proficiência em inglês (IELTS, TOEFL), Cartas de Recomendação e Essays.

Alunos: de várias nacionalidades, entre 22 e 35 anos.

Certamente, escolher entre uma especialização no exterior ou manter os estudos no Brasil mesmo requer muita análise e pesquisa.

No entanto, uma coisa é certa: a maioria dos cursos de especialização no exterior requer certificação internacional comprovando proficiência em inglês.

O British Council é o órgão responsável pela aplicação do IELTS no Brasil, com profissionais capacitados e toda a estrutura necessária para sua avaliação.

Conte conosco para abrir o seu caminho rumo ao sucesso em sua especialização no exterior ou por aqui mesmo.

 Veja nossos recursos preparatórios para o IELTS

Volte para o topo