Phantom Chips (Foto: Louise Brady), Nathaniel Mann (Foto: Julian Hughes) e Lady Vendredi (Foto: Dimitri Djuric), os artistas britânicos selecionados para o programa Musicians in Residence, Brazil em 2017
Phantom Chips (© Louise Brady), Nathaniel Mann (© Julian Hughes) e Lady Vendredi (© Dimitri Djuric) foram selecionados para o programa MIR Brazil 2017.

Conheça os projetos do British Council que oferecem residências no Brasil para artistas do Reino Unido, promovendo a aproximação e troca de conhecimentos entre brasileiros e britânicos.

MIR: Musicians in Residence, Brazil

Com o objetivo de incentivar a compreensão entre diferentes culturas através da música, o programa Musicians in Residence abriu uma nova chamada em 2017 para artistas britânicos interessados em desenvolver parcerias no Brasil, após o sucesso da primeira edição, realizada na China. Cada um dos três músicos selecionados ficará em uma região do país, desenvolvendo novos projetos com artistas locais.

Com o apoio do Creative Scotland, Phantom Chips, primeira participante do programa, conduziu workshops e se apresentou durante o Festival Novas Frequências, no Rio, em dezembro. Em 2018, será a vez de Lady Vendredi visitar o Paço do Frevo, em Recife, enquanto Nathaniel Robin Mann (Animateddog) fará sua residência em comunidades indígenas no Xingu com o apoio da Secretaria de Cultura de Mato Grosso. 

Saiba mais sobre o projeto no site British Council Music.

  

Air B2B: Britain to Brazil

Desenvolvido em parceira com o People’s Palace Projects, o programa Air B2B: Britain to Brazil oferecerá três residências no Brasil para três artistas do Reino Unido interessados em desenvolver projetos culturais com foco em transformação social.

O rapper Conrad Murray foi o primeiro artista selecionado pelo programa e esteve no Brasil durante o mês de setembro de 2017, desenvolvendo atividades no Rio de Janeiro e na Reserva Nacional do Xingu, no Mato Grosso, em parceria com a Associação Indígena Kuikuro (AIKAX). Além de músico, Conrad é escritor, ator e diretor, com forte influência da cultura hip hop e da poesia falada. No Brasil, ministrou workshops de música para crianças e adolescentes e criou quatro novas composições em parceria com os Kuikuros. 

A professora e diretora de teatro Gemma Kerr, por sua vez, realizou sua residência no Rio de Janeiro em novembro de 2017, onde trabalhou com instituições sociais que atuam em zonas periféricas da cidade. Durante esse período, aprofundou sua pesquisa sobre movimentos de remoção e gentrificação provenientes do legado olímpico, e realizou atividades com mais de 100 pessoas, com o objetivo principal de resgatar a memória local dos moradores.

A terceira residência foi com a poetisa, escritora e cineasta britânica de origem ganense, Victoria Adukwei Bulley. De 9 de abril a 7 de maio de 2018 no Rio de Janeiro e no Instituto Sacatar, em Itaparica, na Bahia, a artista aprofundou os temas desenvolvidos no seu projeto Mother Thongues, no qual pesquisa histórias orais sobre língua, migração e identidade através da poesia e do cinema. Após ter visitado diversas instituições e encontrado com produtores culturais e ativistas, ao término, em 11 de maio, houve um estúdio aberto com a artista, realizado na sede da Casa Rio, no Rio de Janeiro.

Conrad Murray ministrou workshops e criou composições com músicos da aldeia Ipatse. ©

Márcia Farias e Brenno Erick.

Escritora e diretora de teatro, Gemma Kerr realizou workshops e aprofundou sua pesquisa sobre gentrificação durante sua residência no Rio de Janeiro. Fotos: Brenno Erick e Márcia Farias
Escritora e diretora de teatro, Gemma Kerr realizou workshops e aprofundou sua pesquisa sobre gentrificação durante sua residência no Rio de Janeiro.  ©

Brenno Erick e Márcia Farias

AirB2B: Victoria Adukwei Bulley
Victoria Adukwei Bulley é poetisa e cineasta britânica de origem ganense. Foi a artista escolhida para a terceira residência, realizada no Rio de Janeiro e na Bahia. © People's Palace Project