Colagem com elementos que fazem referência à vida do estudante no Reino Unido.

Quer estudar fora, mas está confuso com a escolha do melhor país para isso?

Listamos aqui alguns dos motivos por que mais de 440 mil estudantes internacionais escolhem o ensino superior britânico todos os anos:

 

1. As melhores universidades do mundo

No quesito acadêmico, as universidades britânicas sempre aparecem no topo dos rankings de melhores do mundo. Este ano, 12 instituições foram classificadas entre as 100 melhores do mundo, segundo o Times Higher Education Rankings 2018. Dentre elas, encontram-se: University of Cambridge University, University of Oxford, Imperial College London, University College London, London School of Economics and Political Science, University of Edinburgh, King’s College London, University of Manchester, University of Bristol, University of Glasgow, University of Warwick e Durham University. A classificação analisa itens como a reputação acadêmica, o impacto das pesquisas realizadas na instituição, a imagem da universidade no mercado de trabalho e a quantidade de professores e alunos estrangeiros.

2. Alunos que mudaram a história

Estudar em uma universidade do Reino Unido e conviver todos os dias com fatos que mudaram a história da humanidade. Isaac Newton obteve seu diploma em Física na University of Cambridge, berço também de outros estudiosos, como o economista John Maynard Keynes. Por Oxford, que até os dias de hoje opera a maior editora universitária do mundo, passaram o ex-primeiro-ministro britânico David Cameron, o ex-presidente americano Bill Clinton e os escritores J.R.R. Tolkien e Oscar Wilde. Já na Escócia, na University of Edinburgh, na década de 1820, graduou-se em medicina o pai da teoria da evolução das espécies, Charles Darwin.

Para quem gosta de ciências, o modelo de átomo Rutherford foi desenvolvido pelo cientista do mesmo nome, Ernest Rutherford, na University of Manchester, onde também lecionou Ala Turing, um dos pioneiros na criação de computadores.

3. Excelência reconhecida

O Reino Unido concentra 38% de todas as premiações de Nobel, segundo o segundo país com maior número de ganhadores do prêmio no mundo. Além disso, é terreno fértil também para agraciados com o Nobel da Literatura e da Paz. E tem mais: diversos ganhadores eram pesquisadores e/ou estudantes estrangeiros. John O'Keefe, neurocientista que ganhou o Nobel de medicina em 2014, nasceu em Nova Iorque, mas desenvolveu sua pesquisa em Londres e hoje é professor da University College London. Michael Levitt, agraciado com o Nobel de Química em 2013, nasceu na África do Sul, mas desenvolve suas pesquisas em Cambridge. O escritor nascido na Índia, Rudyard Kipling, famoso por criar o personagem Mowgli (sim, o menino lobo!), estudou e viveu na Inglaterra – onde estava quando ganhou o Nobel de Literatura em 1906.

4. Arquitetura impactante

Castelos antigos, palácios que parecem ter saído de contos de fada, cidades medievais, prédios clássicos, igrejas góticas, construções modernas. Estar no Reino Unido é garantia de uma viagem a algumas das construções mais belas do mundo ocidental. O melhor de tudo isso é que não são apenas prédios institucionais, museus e igrejas que surpreendem. As escolas e universidades são um espetáculo à parte, e até mesmo as residências mais simples têm um charme especial. 

5. Flexibilidade acadêmica

Além da qualidade do ensino per se, a grade curricular das universidades são muito flexíveis, com matérias opcionais que se encaixam às pretensões de carreira do estudante e aos seus interesses pessoais. Por exemplo, um aluno que faz bacharelado em administração, também pode escolher complementar seu currículo com módulos de neuro-marketing. Outro exemplo de combinação seria um estudante de literatura inglesa optar por matérias de psicologia.

Em todos os níveis de curso, o estudante é estimulado a pensar e se expressar de forma independente, sendo que um dos diferenciais do ensino superior do Reino Unido é o foco menor no tempo em sala de aula, e maior no tempo dedicado aos trabalhos em grupo, pesquisas de campo e escrita de artigos e resolução de tarefas. As aulas são uma mistura de seminários/palestras, com apresentações e muitas discussões entre alunos e professores.

6. Futebol e outros grandes esportes

Vale lembrar que a paixão dos brasileiros foi criada no Reino Unido. Jogos parecidos com o que hoje chamamos de futebol eram muito comuns na Idade Média nas ilhas britânicas. Foi justamente a presença britânica em outros países que popularizou o esporte.

Além do Futebol, também foram inventados por lá o Tênis, o Golfe, o Rúgbi, entre outros. A prática desportiva nas universidades e escolas é tradicional e se reunir com os amigos para assistir a jogos nos pubs já é tradição. 

7. Além de estudar, você vai ouvir muita música boa

Beatles, Rolling Stones, Queen, The Who, Coldplay, Elton John, Led Zeppelin, Pink Floyd, Amy Winehouse, Adele… Precisa falar mais? Se necessário então podemos citar compositores clássicos renomados como Gustav Hold, Arthur Sullivan e Benjamim Britten.  A música está tão conectada à história do Reino Unido que é quase impossível passar por lá e não presenciar shows, concertos ao ar livre, as famosas gigs (pequenas apresentações em pubs – normalmente gratuitas), isso sem falar nos famosos festivais de música. Temos também algumas das cidades mais musicais do mundo, a exemplo de Liverpool – berço dos Beatles e de Glasgow, nomeada Cidade da Música pela Unesco. 

8. Muito além do Fish & Chips

Engana-se quem acha que o Reino Unido é limitado quando o assunto é gastronomia. Além do tradicional Fish & Chips, exemplo de prato típico e barato da região, os assados de carneiro, porco, frango e carne de vaca também são muito apreciados. Conhecidos como roast, são servidos com legumes assados e vegetais. Além disso, o Reino Unido é tão multicultural que proporciona uma verdadeira viagem por iguarias do mundo todo. 

Da comida indiana à chinesa, passando por países africanos, culinária judaica, excelentes restaurantes mediterrâneos, doces (os maravilhosos puddings), biscoitos (servidos com o famoso chá da tarde) queijos e uma infinidade de opções. A tradição culinária é tão forte que há mais de 140 restaurantes britânicos no Guia Michelin.

9. Comunidade estudantil extremamente multicultural

A Agência de Estatísticas do Ensino Superior do Reino Unido (HESA) publicou em janeiro sua pesquisa mais recente, onde revela que aproximadamente 20% de todos os estudantes matriculados no ensino superior do Reino Unido em 2017 eram estrangeiros, o que totaliza uma comunidade de 442.375 pessoas.

As razões para a popularidade do país entre estudantes internacionais são diversas: a qualidade acadêmica, o ambiente extremamente multicultural, a flexibilidade da grade curricular - que estimula a independência dos alunos - e, também, a localidade estratégica, já que dentro de poucas horas uma estudante viaja para qualquer cidade na Europa.

10. O verão é maravilhoso!

Pois é, sabemos que esse último item vai te deixar em dúvida, afinal, o Reino Unido é muito lembrado pelo inverno rigoroso e pelo céu acinzentado. Mas se essa é a impressão que você tem, pode se preparar para mudar de ideia. Quando as temperaturas se elevam e o sol abre, os britânicos ocupam parques, praças e jardins numa verdadeira celebração. Esportes ao ar livre, piqueniques, conversas em bancos de praça, shows a céu aberto e passeios memoráveis.