Habilidades de comunicação em inglês para estudar fora - IELTS blog
©

Foto criada por cookie_studio - br.freepik.com

Estudar no Exterior é um sonho de muitos brasileiros que desejam alavancar suas carreiras ou investir em seu crescimento pessoal. 

Certamente, existem alguns passos para chegar até a tão sonhada especialização em uma universidade estrangeira. Definir quais são as etapas e desenvolver todas as habilidades necessárias é um bom início para concretizar esse objetivo. Afinal, saber quais são as capacidades que você deve ter te coloca à frente de seus concorrentes.

Neste artigo, mostraremos as habilidades de comunicação que você precisa para realizar este sonho. Então, prepare-se e venha conosco descobrir como alcançar esta meta e riscá-la da sua to-do list.

Conheça as 4 habilidades de comunicação em inglês 

Antes de qualquer coisa, é importante definir quais são as quatro habilidades de comunicação, não é mesmo? 

A fim de guiá-lo rumo à uma especialização fora do Brasil, é importante que você esteja atento quanto a estas competências. Especialmente porque você precisará fazer um exame de certificação internacional em língua inglesa, no qual serão avaliadas as habilidades de comunicação a seguir. 

As 4 habilidades de comunicação no inglês são chamadas de: Listening, Speaking, Reading e Writing

Essas habilidades linguísticas são como os pilares para a compreensão de qualquer idioma. Por esse motivo, são tão importantes no aprendizado da língua inglesa.

Listening

Essa habilidade diz respeito à capacidade de entender o que é falado em inglês, ou seja, a compreensão auditiva do que está sendo dito. 

Quem desenvolve essa habilidade não apenas identifica palavras e frases como também assimila rapidamente o significado delas. A pessoa que tem fluência nessa habilidade consegue escutar e codificar rapidamente o idioma como se estivesse ouvindo em seu idioma materno.

Sem dúvidas, é uma grande aquisição para quem está aprendendo inglês.

Aos que ainda não têm essa habilidade, ouvir uma fala em inglês pode parecer uma grande confusão de sons desconexos. Portanto, é de suma importância treinar essa habilidade de comunicação para que os sons façam sentido e sejam compreendidos claramente.

Speaking

Com certeza, desenvolver essa habilidade de comunicação é um dos principais desejos da maioria dos estudantes de língua inglesa. 

O Speaking é a capacidade de falar em inglês. Ter uma boa expressão oral é visto por muitos como a maior prova de que uma pessoa possui fluência no idioma. Principalmente, porque é algo que exige o aprendizado de novos fonemas e um vasto vocabulário. 

Conversar em inglês é um dos grandes objetivos de todos os alunos. A maioria acredita que, se consegue falar, já sabe inglês. E é isso que move o aprendizado desta habilidade. 

Desenvolver o Speaking é pronunciar as palavras claramente, de forma compreensível por quem está ouvindo. É aquela sensação de falar em inglês tudo que vier à sua mente, sem hesitação.

Reading

A habilidade de comunicação Reading é a que permite ler textos em inglês. É uma das mais almejadas por pessoas que trabalham com documentos escritos no idioma e também por quem busca fazer cursos de especialização, como Mestrado e Doutorado, que demandam bastante pesquisa em artigos e publicações estrangeiras. 

A habilidade de leitura é bastante requerida e visada por muitos profissionais que lidam com fontes internacionais. Especialmente pelos que querem estar sempre um passo à frente dos demais.

O Reading basicamente amplifica o acesso ao conhecimento, já que te dá oportunidade de ler artigos e documentos antes mesmo de serem traduzidos. É fundamental para quem trabalha com notícias, por exemplo, ou precisa ter acesso o quanto antes a informações sobre sua área de atuação.

Writing

O Writing é a habilidade de comunicação que se refere à escrita em inglês. Isto é, permite que você se expresse no idioma por meio da redação de textos na língua inglesa, permitindo que eles possam ser lidos por muito mais pessoas no mundo todo. 

Essa habilidade é bastante importante quando você decide estudar em uma universidade no Exterior e requer bastante treino. Principalmente porque sua primeira apresentação para as universidades estrangeiras será feita por meio da escrita. Para causar aquela boa impressão, é imprescindível conhecer a gramática da língua inglesa para evitar erros e mensagens confusas ou incorretas. 

Erros gramaticais ou palavras escritas incorretamente podem acabar com uma frase, assim como a ordem da sentença pode atrapalhar o entendimento. Cometer esses descuidos na hora de escrever uma das redações exigidas pela universidade, como a sua carta de intenção ou o seu projeto de pesquisa, por exemplo, dificilmente será tolerado. 

Além de elaborar essas redações, você também precisará obter uma boa nota em um exame de proficiência em inglês, como IELTS, que põem à prova todas essas quatro habilidades de comunicação e apresentar essa certificação internacional junto com os outros documentos, como parte do processo de admissão da universidade.

Como desenvolver as habilidades de comunicação de forma eficaz?

Agora que você já sabe quais são as habilidades de comunicação e compreendeu um pouco mais como elas funcionam, é hora de saber como desenvolvê-las. Elas são importantes para que você consiga acompanhar o seu próprio desempenho e conduzir sua jornada pelo melhor trajeto.

Listening

A capacidade de Listening é desenvolvida por meio do treinamento do ouvido. Você precisa praticar a escuta para que seja capaz de reconhecer palavras e frases em inglês. 

Uma forma eficiente de se habituar a isso é consumindo conteúdo de áudio em inglês: pode ser música, filmes, séries. Você pode treinar ouvindo música enquanto acompanha a letra, ou assistindo a filmes e séries com legendas em inglês.

Esse é um bom caminho para começar a assimilar os sons e como as palavras são escritas e pronunciadas. Quando estiver mais preparado, pode tirar as legendas e checar se consegue acompanhar os acontecimentos só com o áudio. 

Quanto mais você for conseguindo, melhor sua habilidade de Listening está se desenvolvendo.

Speaking

Esta habilidade requer coragem e confiança. Para ter capacidade de desenvolver o Speaking, você precisa falar inglês em voz alta, para ter certeza de que está pronunciando as palavras corretamente. Medo de errar e vergonha não combinam com essa habilidade de comunicação, afinal, você só aprende se treinar. 

Aqui as músicas também podem ajudar, mas ao invés de só ouvi-las, você precisa soltar a voz e cantá-las! 

Da mesma forma que você consegue treinar as habilidades de Listening com músicas, filmes, seriados e podcasts, o Speaking segue a mesma linha. A única diferença é que você precisa ouvir atentamente, pausar e reproduzir para aprender as palavras e frases novas. Uma estratégia interessante é gravar a si mesmo e depois escutar o áudio com atenção para identificar os trechos em que você teve maior dificuldade para pronunciar as palavras ou elaborar as frases.

Se tiver alguém com quem possa conversar em inglês, ótimo! Sua prática ficará muito mais real e eficiente neste caso.

Reading

Para desenvolver o Reading é preciso fazer como aprendemos em português ou em qualquer outro idioma: lendo textos em inglês! 

Essa é uma das habilidades de comunicação que demanda bastante empenho e dedicação. Afinal, ela só é adquirida por meio da prática constante. Não basta ler uma vez e pronto, você precisa criar o hábito da leitura e focar nele. Fazer do Reading uma rotina certamente permitirá que você tenha maior facilidade na leitura. 

Escolher textos que despertem seu interesse a partir dos temas é fundamental para que você consiga focar neste hábito. Comece por textos mais simples e vá migrando para os que demandem mais atenção e maior capacidade de compreensão. Jornais, blogs e revistas são ótimos para começar, já os livros mais extensos são excelentes para aumentar o nível de conhecimento. Especialmente porque a linguagem de um livro geralmente é mais refinada e complexa, o que, consequentemente, requer maior esforço.

Um ponto bastante importante em treinar a leitura é o fato de que você consegue adquirir maior vocabulário, por exemplo. Quanto mais você lê, mais palavras você aprende. E, consequentemente, aumenta o contato com expressões e sinônimos capazes de enriquecer seu aprendizado.

Writing

A habilidade de escrita pode ser desenvolvida das mais variadas formas. Fazer com que a redação de textos em inglês seja parte de sua rotina é uma técnica bastante eficiente para praticá-la. 

Introduzir o Writing em seu dia a dia com mensagens curtas é uma maneira de treinar. Cartas, bilhetes, e-mails para amigos e familiares, por exemplo, pode ser uma boa forma de começar a escrever em inglês. Você pode contar sobre o seu dia, ou mesmo manter um diário pessoal com suas realizações. A partir destes pequenos textos, você pode ir aumentando e escrevendo cada vez mais com bastante confiança.

Só não pode esquecer que as quartro habilidades de comunicação estão diretamente ligadas e precisam ser desenvolvidas de forma conjunta. 

Para saber escrever é preciso saber ler; para falar é preciso desenvolver a habilidade de ouvir; e assim por diante.

A gramática, sem dúvida alguma, é objeto fundamental de estudo, pois a partir dela você tem capacidade de desenvolver as habilidades de comunicação. Ela ajuda a pensar em sinônimos, conhecer estruturas e construções verbais e melhorar muito a sua comunicação. 

Por que estudar no exterior?

Manter-se atualizado sobre tudo que acontece é uma habilidade que requer bastante dedicação e empenho. Quanto mais você se esforça para ser o melhor no que faz, mais precisa se esforçar para superar a si mesmo. E é exatamente por esse motivo que estudar no Exterior pode ser uma ótima opção para você que quer se destacar no mercado de trabalho.

Saber um idioma estrangeiro, como o inglês, te torna um candidato mais apto para alguns tipos de cargos. E, se você tem oportunidade de estudar no exterior, sua bagagem de experiência será mais ampla e pode até chamar ainda mais atenção.

Sem dúvidas, algumas habilidades podem ser mais bem trabalhadas em situações diferentes, como morar um país novo, por exemplo.

Investir em si mesmo é a melhor forma de ter um futuro seguro, sem surpresas e situações inesperadas. Desenvolver as habilidades de comunicação em inglês já é parte desse investimento, ir atrás de cursos que tornem você um especialista na sua área de atuação completa a missão. Especialmente porque quem adquire novas competências por si mesmo, conquista horizontes e habilidades que nem esperava. Assim como tem acesso a experiências e vivências novas, capazes de contribuir para a construção de uma carreira sólida.

Como se preparar para uma pós-graduação no Exterior?

Já sabemos que quanto mais um profissional é especializado em sua área, melhor remunerado e procurado ele é. Uma especialização no Exterior aumenta bastante as chances desse profissional, especificamente pela questão de ter habilidades distintas.

O futuro pede profissionais que tenham experiências multiculturais e diplomas com habilidades de comunicação e de idiomas comprovadas. Ter uma pós-graduação, por exemplo, faz com que você dê um passo a frente de seus concorrentes e te coloca em posição de destaque. 

Além do mais, segundo pesquisa realizada pela Catho Educação, profissionais com mestrado e doutorado ganham mais do que os que são apenas graduados.

Uma pós-graduação no Exterior é capaz de abrir várias portas para você, e existem até algumas instituições que oferecem bolsas de estudos. Porém, é preciso estar preparado para viver uma vida nova em um lugar desconhecido com pessoas diferentes.

Primeiro de tudo, você precisa saber o que te motiva a estudar no Exterior e pensar no cenário que espera por você quando voltar para o Brasil. Pode ser que você fique um tempo fora e sua conexão com as pessoas da área esteja mais distante, por exemplo. No entanto, o seu currículo será bem mais impressionante do que antes e isso é um ótimo ponto.

Para ter um currículo impressionante que seja de fato atrativo e eficiente, você precisa escolher o melhor curso de acordo com seu objetivo. A especialização começa desde a pós-graduação e vai até os doutorados, saber como funciona cada um é fundamental.

Conheça os tipos de especializações:

  • Pós-graduação lato sensu
  • Mestrados profissionais
  • Mestrados acadêmicos
  • PhD
  • Doutorados sanduíches

Como funciona a seleção para a pós-graduação no Exterior?

O procedimento de seleção para pós-graduação no Exterior não é tão difícil, mas é um pouco trabalhoso e tem várias etapas. 

É importante começar a se preparar com um ano de antecedência e ficar atento para não perder os prazos.

Os processos exigem os seguintes tipos de documentos: Histórico escolar, CV, Certificação Internacional de proficiência em língua inglesa, Personal Statement, Carta de recomendação e, em alguns casos, provas padronizadas (como GMAT e GRE).

Os programas de pós-graduação também podem solicitar um plano de pesquisa e cartas dos orientadores assim como entrevistas.

A seguir, conheça alguns dos documentos que podem ser solicitados para estudantes estrangeiros no processo de seleção das universidades no Exterior.

Como se preparar para uma pós-graduação no Exterior? IELTS blog
©

Vetor criado por pch.vector - br.freepik.com

Histórico acadêmico para estudar fora do Brasil

O histórico escolar é enviado à universidade, geralmente acompanhado de uma tradução juramentada para língua estrangeira. Ele lista as matérias estudadas e as notas do aluno.

Nesta etapa, as universidades consideram uma média de suas notas, chamada de GPA. 

O resultado pode ser a partir de todas as matérias ou apenas das consideradas essenciais.

CV (Curriculum vitae) para pós-graduação no exterior

Todo mundo que já esteve à procura de emprego já enviou um currículo para as empresas, não é mesmo? 

Enviar um currículo para candidatar-se a uma pós-graduação no Exterior pode parecer estranho, porém o CV na verdade é uma síntese de sua carreira acadêmica e profissional. Nele, você pode incluir outras qualificações, experiências de pesquisa, publicações e prêmios.

O currículo serve para mostrar que o seu perfil é adequado para ingressar naquele programa específico. E, mesmo o CV não sendo solicitado por todas as universidades, muitas delas pede, por isso vale a pena saber fazê-lo corretamente. 

Certificados de Proficiência em Inglês

Lembra que citamos as certificações internacionais como pré-requisito para uma especialização fora do Brasil? 

Existem diversas opções de teste de inglês no mercado, mas é preciso checar a sua aceitação pela universidade antes de realizar o exame de proficiência, uma vez que muitos deles não são reconhecidos para fins acadêmicos. 

Existem provas específicas para isso, com um nível de exigência e segurança maior. Um dos certificados mais aceitos pelas universidades em todo mundo, por exemplo, é o IELTS Academic

Provas padronizadas (GMAT e GRE)

A fim de comprovar o conhecimento acadêmico de estrangeiros que querem estudar no Exterior, as universidades usam provas padronizadas. Normalmente, as universidades dos EUA e da Europa utilizam os testes GMAT – Graduate Management Admission Test ou GRE  Graduate Record Examination.

Apesar de serem um dos pontos avaliados para pós-graduação no Exterior, estes testes não são utilizados como único critério de seleção. No entanto, uma nota negativa pode prejudicar a sua candidatura, então vale a pena conhecer os exames e estar preparado.

GMAT

Este exame serve para avaliar a inteligência mental e a habilidade de tomar decisões sob pressão de tempo.

Diferente de uma prova convencional, o GMAT é uma espécie de teste interativo. Por ser realizado em um formato de Computer Adaptive Test (CAT), permite que o nível das questões seja adaptado a partir do desempenho do candidato. Isso quer dizer que se você começa bem a prova, as questões passam a ser mais complexas valendo mais pontos. A progressão é gradativa pelas quatro seções do exame. São medidas habilidades matemáticas, de análise de dados, verbais e de leitura e escrita analítica.

A pontuação do GMAT vai de 200 a 800 pontos. Porém, universidades mais competitivas exigem notas acima de 700.

GRE

Este é outro dos testes padronizados utilizado em universidades estrangeiras para conhecer melhor a competência dos candidatos. O GRE tem como objetivo analisar o aluno combinando aspectos múltiplos, em sua capacidade total. O que quer dizer que o teste une conceitos matemáticos à capacidade de elaborar e interpretar textos. Sem deixar de lado a elaboração de uma argumentação válida sobre questões. 

O exame avalia Verbal Reasoning (raciocínio verbal), Reading Comprehension (compreensão da leitura), Analytical Writing (escrita analítica) e Quantitative Reasoning (raciocínio quantitativo). A aplicação dura 4 horas, ao todo. 

Outro ponto importante ao se considerar sobre o GRE é justamente o estilo da prova. O método permite adaptar as questões ao desempenho do aluno, trazendo questões mais difíceis àqueles que se saem melhor logo de cara. Na nota final, divide-se pelas três seções do exame, e considera-se o seguinte aspecto: quem encarou as perguntas mais complexas da prova, portanto, tem a nota adaptada ao nível de dificuldade.

Uma boa pontuação é sempre relativa, pois depende diretamente da faculdade onde você pretende se candidatar. Importante saber que as próprias instituições oferecem notas médias como referência a estudantes interessados. 

Personal Statement

Comum nas candidaturas para pós-graduação no exterior, o Personal Statement ou Carta de Motivação pode ser descrito como a parte mais importante do Application. Em termos práticos, trata-se do primeiro texto a ser lido pelo comitê de admissão e funciona como a apresentação do candidato. 

O Personal Statement é onde o candidato pode mostrar quem é e contar mais sobre si, sua personalidade, seus sonhos e seus ideais. Por isso, você precisa saber como usar suas ideias totalmente em favor de sua candidatura. 

É importante causar a melhor impressão possível que seja pessoal e atrativa para conseguir a atenção dos examinadores. Você precisa contar resumidamente um aspecto de sua vida em cerca de 500 palavras, saber contar uma boa história. E ainda mostrar como uma experiência em uma universidade estrangeira pode ser valiosa para você e sua carreira.

A forma mais direta de descrever o texto, nesse caso, é como um “currículo discursivo”. Ou seja, entram na redação suas experiências acadêmicas, extracurriculares e profissionais mais importantes que te conduziram ao lugar em que está hoje. Também é fundamental destacar os objetivos que pretende alcançar com o programa concorrido.

Como elaborar o seu ensaio

Nesta etapa, além de expor ao comitê de admissão uma ocasião importante ou traço de personalidade determinante, é a hora de contar toda uma trajetória. Ao invés de enumerar as informações do currículo de forma direta, cabe a você ligar os pontos em seu Application, assim como suas decisões principais e conquistas.

Para te auxiliar neste processo, siga as dicas abaixo para construir seu texto da melhor forma. E lembre-se: ser genérico ou muito modesto ao longo do texto é um grande erro da maioria dos brasileiros. Fique atento a esses detalhes e mãos à obra!

Faça um brainstorming

Pense e escreva tudo o que aconteceu de importante em sua vida nos últimos anos e que te conduziram a um crescimento. Considere também os seus pontos fortes e mostre-os. Deixe que as ideias fluam e vá escrevendo sem considerar o tamanho do texto. Essa parte é só para você ver tudo o que tem e definir o que poderá usar mais tarde.

Escreva o primeiro rascunho do texto

O Personal Statement deve ser dividido de forma simples e, obviamente, escrito em inglês.

No início, faça uma introdução que resuma os seus valores pessoais e conquistas. Continuando, você deve iniciar o corpo do texto, falando sobre as suas conquistas acadêmicas. 

Logo em seguida, vem a sua trajetória profissional e os pontos importantes de sua carreira. É fundamental mostrar a importância do programa de pós-graduação para o seu desenvolvimento como estudante. Assim como para o seu perfil profissional e pessoal. 

Na conclusão você precisa apresentar seus objetivos pessoais e profissionais pretendidos após a conclusão do curso.

Peça feedback

Depois de escrever o seu rascunho é a hora de pedir a opinião de pessoas que te conheçam bem e saibam seus planos de carreira. Vale amigos e professores, por exemplo. Eles precisam avaliar se o texto reflete exatamente quem você é e seus ideais.

Você pode recorrer a uma ajuda profissional também para esta revisão, caso necessário. Visto que é um documento importante escrito em uma língua diferente da sua, pode ser um passo importante.

Faça correções e revise

Checar o texto é fundamental. Ler novamente para evitar erros de ortografia, digitação ou ainda de gramática é bem importante. Você pode ainda pedir para que alguém que seja fluente em inglês revise para você. 

Carta de recomendação

A Carta de Recomendação é mais importante para o Application do que se pode imaginar num primeiro momento. Mas em um processo no qual o candidato fala constantemente sobre si mesmo, é bem fácil entender a importância desse documento.

A Carta de Motivação e até os Essays são, sobretudo, exposições próprias sobre quem você é, quais são as suas qualidades e o que você quer para o seu futuro. Já as Cartas de Recomendação são escritas por professores, coordenadores pedagógicos ou contatos profissionais do candidato. 

A quem eu devo pedir uma Carta de Recomendação?

Em alguns casos, é necessário que as cartas venham de professores de disciplinas ou até memso áreas distintas. Mesmo não sendo uma exigência, é uma boa prática. Dessa forma, uma carta basicamente serve para complementar o conteúdo da outra.

É importante, também, que o professor tenha algo a dizer sobre o aluno na Carta de Recomendação que vá além da sala de aula. Assim, a instituição de ensino que ele está se candidatando tem uma perspectiva mais abrangente de quem ele é em diferentes áreas de sua vida.

O que deve conter em uma Carta de Recomendação?

Obviamente, uma Carta de Recomendação precisa citar os pontos fortes do candidato, tanto acadêmicos quanto pessoais. No entanto, a forma como esses pontos são citados pode fazer toda a diferença. Nesse caso, é interessante buscar referências para ter uma boa ideia.

Diversas faculdades têm uma página inteira dedicada a explicar o que faz uma Carta de Recomendação ser boa. E se você já tiver escolhido um professor para escrever sua carta, é interessante que você envie essas recomendações para ele. Afinal, pode ajudá-lo a ter ideias na hora de escrever sobre você.

Alguns pontos que podem ser interessantes estão as respostas às seguintes perguntas:

  • Qual é o contexto da sua relação com o aluno? Se você não o conhece bem e só se sente capaz de escrever sobre ele em linhas gerais, por favor, deixe isso claro.
  • O aluno demonstrou vontade de correr riscos intelectuais e de ir além da sua experiência em sala de aula?
  • O aluno tem talentos, competências ou habilidades de liderança além do ordinário?
  • O que motiva essa pessoa? O que a deixa empolgada?
  • Como o aluno interage com professores? E com seus colegas? Descreva sua personalidade e suas habilidades sociais.
  • De que você mais vai se lembrar dessa pessoa?
  • O aluno já passou por alguma derrota ou falha? Se sim, como ele reagiu?
  • O aluno tem circunstâncias incomuns de família ou de comunidade das quais a universidade deveria saber?

Esse último ponto pode soar um pouco estranho, mas é de suma importância. Afinal, na candidatura para pós-graduação no Exterior, o que se leva em consideração não é apenas o desempenho acadêmico do estudante, mas todo o seu contexto. 

Assim, se o aluno demonstrar excelência nas notas ao mesmo tempo em que lida com uma situação familiar desfavorável, seu mérito aos olhos dos examinadores será ainda maior.

Conheça o British Council e fique mais tranquilo em relação à sua preparação

Se preparar para uma especialização fora do Brasil requer bastante trabalho, como já vimos neste artigo. Porém, é possível você ficar mais tranquilo em relação a tudo isso e ainda às habilidades de comunicação em inglês que precisa desenvolver. 

O British Council conta com várias opções para te auxiliar nesta trajetória a fim de facilitar a sua jornada. Aqui você tem acesso a cursos on-line e alguns recursos gratuitos disponibilizados em nossos sites e aplicativos

Temos cursos on-line para você aprender o idioma e ainda para você se preparar para o IELTS, uma das certificações internacionais de proficiência em língua inglesa mais solicitadas no Exterior.

Quanto mais você praticar o inglês, mais rápido será o desenvolvimento das habilidades de comunicação no idioma necessárias para ter sucesso em todas as etapas de seu Application para uma universidade no Exterior. 

Conheça mais sobre o IELTS Academic

Voltar ao topo